O Braga – Porto foi o Dia D

Diria que ontem foi um dos momentos mais importantes desta época e que, se ainda conseguirmos ganhar este campeonato, este jogo foi fundamental.
Também eu tenho muito orgulho pela forma como a equipa se bateu na segunda parte. E pela forma como, mesmo com 9, conseguiu sair a jogar e podia ter marcado por 2 vezes. Foram valentes, muito valentes, e só tenho pena que esta atitude não tenha sido a de todos os jogos desde o início da temporada.
De Helton já foi tudo dito, pelo que aqui queria destacar dois elementos que têm jogado pouco. José Angel foi excepcional, mostrando que é para continuar a tradição dos bons defesas-esquerdos que sempre tivemos. Campaña mostrou uma raça desconhecida, a jogar e a defender a equipa – podia ter sido expulso pela forma como protestou e até me admira que o árbitro não lhe tenha mostrado o vermelho. Podia ter expulsado. Mesmo com oito, ontem não tínhamos perdido.
O treinador esteve muito bem. A entrada do Herrera foi fundamental. Esteve bem em campo e esteve bem na conferência de imprensa. O presidente deu um ar da sua graça, mas devia ter ido mais longe. Antero Henriques finalmente deu um ar da sua graça. É daquela raça que precisamos.
Todos, unidos, rumo ao título.

Advertisements

3 thoughts on “O Braga – Porto foi o Dia D

  1. Mas terá sido mesmo mérito da equipa do FCP ou terá mais demérito do Braga? Eu não sou cego e também vi o jogo.

    “Depois da miséria que foi a organização ofensiva e transição defensiva de uma equipa que jogava com mais dois elementos em campo, vir dizer que se não fosse Hélton o resultado tinha sido histórico, é no mínimo hilariante. Depois de infinitos cruzamentos, seguidos pela regra do água mole em pedra dura, com toda equipa do Porto a defender na área (como se impunha), tanto deu que não furou. É o cúmulo da falta de criatividade colectiva, da falta de treino de princípios ofensivos de qualidade, para quando a equipa se veja obrigada a assumir o jogo – contra adversários de menor valia individual e contra equipas em inferioridade numérica. A culpa normalmente é do árbitro, e hoje do Hélton, quando tudo o que se limitou a fazer foi facilitar a vida ao Gr do Porto, que sem dúvida fez uma boa exibição. Independentemente da sua mais valia individual, o Porto com 9 ter conseguido duas saídas em transição que acabaram na área do Braga, diz muito do que é a equipa do Braga em organização ofensiva. Que tal falar menos nos árbitros e trabalhar a equipa com princípios de maior valia? Queremos atacar pelos corredores, certo? Então vamos lá encontrar uma forma diferente de desequilibrar aí, sem ser o pontapé para dentro do galinheiro sem critério…”

  2. pois claro…

    a jogar em inferioridade numérica (com menos dois jogadores de campo) e contra 15, Lopetegui errou redondamente. deveria ter mantido (no mínimo) um tridente ofensivo, que colocasse em sentido a defesa arsenalista. é mesmo estúpido, o Lopetegui – ao contrário do anónimo João, que é um versado na bola.

    ele há cada imbecil… haja paciência…

    Miguel | Tomo II

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s