Grande, grande resposta!

Admito que cada vez mais aprecio o estilo do nosso treinador fora das quatro linhas.

Na ausência da SAD, tem sido ele a defender os nossos interesses. Não deveria ser ele é certo, mas já que nem o Presidente, nem a estrutura diretiva se mexem muito, ele tem feito um bom trabalho.

Ontem o “chiclas”, talvez sentido-se incomodado com tanto ataque de tanto lado e no alto da sua fanfarronice decide falar do ÚNICO jogo em que fomos beneficiados, esquecendo-se dos 12 que eles foram. Nada que me surpreenda vindo de quem vem diga-se.

Instado a comentar essas palavras o nosso treinador decide responder em latim. Duvido que o “chiclas” perceba, mas como vem traduzido a seguir ele sempre pode ler a tradução.

Aqui fica a resposta, que diga-se, seja em latim, mandarim ou português, foi uma resposta de grande nível:

«Excusatio non petita, culpabilita manifesta», que pode traduzir-se «quem se desculpa sem ter sido acusado, culpabiliza-se».

Na raça!

image

Foi mesmo na raça que conseguimos levar de vencida um adversário que jogou com um enorme autocarro à frente da baliza e com um jogador de nome Brito a tentar jogar futebol.
Lopetegui procedeu a uma revolução no onze inicial. Já se sabia que Danilo, Alex Sandro, Casemiro e Oliver não poderiam jogar, mas alem destes tirou Tello e Brahimi fazendo jogar Quaresma e Hernâni.
E foi sobre esse mesmo jogador que surgiu o caso do jogo. Falta óbvia dentro da área, passível de grande penalidade que o homem do apito fez questão de fazer vista grossa.
De todas as formas foi uma primeira parte pouco conseguida. A única grande oportunidade que tivemos foi já no final dos primeiros 45′ quando Jackson falha na cara de Mika.
A segunda parte começa com o nosso clube a lutar mais e mais rápido sobre a bola, contra um muro que cada vez mais parecia intransponível. Só que hoje, ao contrário do que aconteceu na Madeira mostramos mais raça, mais vontade e mais querer.
E foi graças a essa raça e às alterações processadas por JL que conseguimos desequilibrar lá na frente, e a 10′ do final colhemos esses frutos. Ricardo faz um cruzamento para Tello, que no um para um com o defesa contrário, leva a melhor cruzando para Jackson que marca o primeiro do jogo.
Estava deitado abaixo o muro de uma equipa que faz sempre dos jogos contra nós a salvação da época.
Daí e ate final ainda houve tempo para um grande golo de Brahimi e a consolidação da vitoria, mais que justa contra um adversário que nada fez, com exceção de um jogador (Brito) para merecer melhor sorte.
Agora segue-se um jogo muito difícil contra o Sporting no próximo domingo, onde espero que se rectifique a péssima imagem que deixamos contra eles na taça.
Quanto a destaques, pela positiva destaco Rúben Neves, uma autêntica formiguinha de trabalho. Que diferença para Casemiro. Defende melhor, é muito menos faltoso, raramente falha um passe. Gostei muito de o ver hoje de início.
Jackson também sempre muito lutador, e marcando um dos golos do jogo.
A dupla de centrais também muito certinha. E as entradas de Tello e Brahimi que também estiveram muito bem.
Pela negativa, destaco Herrera. O mexicano luta, luta muito, mas está num mau momento de forma. Quintero também não esteve bem, sendo compreensível a sua saída prematura.
Não foi um bom jogo, mas foi uma boa vitória.

Decisivo!

Ontem, no jogo da equipa B do FC Porto contra o Farense, Gonçalo Paciência voltou a ser decisivo.

Com a equipa a perder por 1-0 ao intervalo, Gonçalo demonstrou-se decisivo ao ser o marcador dos dois golos com que demos a reviravolta ao marcador.

Um jovem da nossa formação que está a crescer de forma sustentada e a prometer um grande futuro, assim seja devidamente aproveitado.

Para quem não viu, deixo em baixo um pequeno resumo do encontro de ontem.

João Capela vai ser o árbitro do Benfica – Estoril

É uma informação baseada em fonte muito próxima do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol: João Capela será o árbitro do Benfica – Estoril, a contar para a próxima jornada do Campeonato Nacional de Futebol.
Uma informação que, no fundo, não deixa de ser uma não-notícia. Afinal, há quase 2 meses que o árbitro João Capela não apita o Benfica. Para além disso, as alternativas directas não estavam disponíveis: Manuel Mota tem feito parte, como quarto árbitro, dos últimos jogos do Benfica, sendo que no penúltimo deles chegou a dar indicação ao árbitro principal da existência de uma grande penalidade a favor do Paços de Ferreira; Bruno Paixão apitou o Benfica há menos de um mês; e Jorge Ferreira.. bem, se calhar parecia mal.
Assim sendo, embora Vítor Pereira tenha estudado outras alternativas fiáveis, como Luis Ferreira ou Vasco Santos (Marco Ferreira, que em Outubro não evitou a derrota do Benfica em Braga, foi de imediato descartado), a escolha acabou por recair em João Capela.

Jorge Nuno Pinto da Costa está a mais – chegou a hora de sair

Quando um dirigente manifestamente não demonstra capacidade de defender o clube que lhe paga o ordenado, é porque chegou a hora de sair. Todos têm um fim, o de Jorge Nuno Pinto da Costa chegou agora.
Depois de tudo o que tem acontecido neste campeonato, o Presidente do Porto não foi capaz de erguer uma única vez a sua voz contra tudo o que tem acontecido. Como tal, já não está em condições de defender o clube como defendeu no passado.
O passado, glorioso, ninguém lho tirará. O que fez pelo clube fica na História. Mas como não queremos ficar cristalizados na História, como outros clubes um dia ficaram, chegou a hora de mudar. Que saia e que dê o lugar a outro – que consiga perceber isso e o quanto antes.