O BiTri está de luto!

O BiTri está mais pobre.

Ontem um dos nossos, João José Cardoso faleceu, vítima dessa doença tão cruel como é o cancro.

Grande portista e fervoroso adepto da “sua” Académica de Coimbra, JJC foi um dos fundadores deste blogue, assim como um dos grandes intervenientes de outro blogue conhecido da nossa praça (aventar.eu). Homem de grande convicções e um eterno lutador.

A todos os familiares e amigos o BiTri endossa as mais sentidas condolências.

Advertisements

Bipolaridade!

FC Porto-Belenenses (REUTERS/ Miguel Vidal)Vitória folgada esta a do FC Porto, graças a um inicio de segunda parte a todo o gás e a um super endiabrado Brahimi, que literalmente partiu a loiça toda.

Mas pese embora a tranquilidade que o resultado parece demonstrar, o jogo poderia ter sido complicado, muito por culpa própria, uma vez que, mais uma vez voltamos a mostrar duas caras.

Uma na primeira, de um FC Porto apático, a jogar a passo, à espera que um golo caísse do céu. Fruto dessa apatia, o adversário acabou por beneficiar da primeira grande oportunidade do jogo, quando na marcação de um livre e após um bom cabeceamento do jogador contrário, Casillas viu-se obrigado a fazer uma grande intervenção.

Posto isto, e graças a um Brahimi em modo Champions, lá fomos criando oportunidades para também sermos felizes, mas para além dele, pouco mais.

Ainda na primeira parte, o adversário beneficia de outra grande oportunidade, quando Layun, tal e qual Cissoko na Madeira, deixa a bola sobrar para as suas costas, para os pés de um adversário que desferiu um remate ao poste.

A primeira parte termina com um enorme azar. Maicon, o nosso capitão teve de sair lesionado. Suspeita de rotura. Esperemos que não.

A segunda parte foi bem diferente, pelo menos os primeiros quinze minutos dela.

Assistimos a um FC Porto a jogar bem mais rápido, em progressão, e com isso as oportunidades a surgirem em catadupa.

Brahimi atira à barra, naquela que foi a maior oportunidade antes do golo inaugural que veio a surgir por intermédio de Corona.

Pouco depois o golo de Brahimi, mais que justo diga-se. O argelino tentou de todas as formas e lá conseguiu ser feliz.

A partir daí, voltamos a desacelerar mas já com uma vantagem confortável perante um adversário que baixou os braços, sendo portanto com toda a naturalidade que quer Osvaldo (estreia a marcar) quer Marcano (de canto!!!!!) acabaram por dar volume ao marcador final.

Em suma foi um resultado “gordo”, num jogo morno, onde conseguimos manter a invencibilidade (já vai em 19 jogos sempre a vencer no Dragão e zero golos sofridos em jogos do campeonato) e mais importante, ir para a paragem do campeonato na liderança do mesmo.

Nota negativa para o amarelo a Maxi que o irá impedir de jogar contra o Braga. O homem tem de se habituar a isso. Vestir de azul tem esse problema. Tens de ser mais comedido pá.

Quanto a destaques para mim o melhor foi de longe o argelino Yacine Brahimi. Grande jogo o dele. Partiu os rins aquela ala direita do Belenenses. Tantos nós que eles levaram, que certamente irão precisar de alguns dias para desatá-los.

Corona, que volta a marca (4º em 4 jogos) e com alguns apontamento muito bons na ala.

Marcano muito seguro a defender e ainda com capacidade para ir lá à frente e marcar.

Pela negativa, mais uma vez as bolas paradas, neste caso as defensivas. Somos muito fracos nesses lances. É preciso rever a matéria urgentemente.

Layun a defender. Definitivamente o homem não é grande bisca a defender. Ataca bem, nota-se boa capacidade de ter a bola e criar jogo no ataque, mas na defesa a coisa está muito má.

Vem agora uma paragem do campeonato, para compromissos das seleções, onde espero que nenhum dos nossos venha de lá com mazelas para depois, no próximo dia 25 fazermos a receção ao Braga, num jogo que se antevê bastante complicado, como por norma o são todos contra este adversário.

Until there folks!!

Em casa mandamos nós!

LC: FC Porto-Chelsea, 2-1 (crónica)Mais uma grande noite europeia para este grande clube que é o nosso. Grande vitória sobre o todo poderoso Chelsea por 2-1 e o atingir da liderança do grupo à 2ª jornada o que pode ser muito importante para o apuramento para os oitavos de final da champions.

Noite épica esta. Mais uma no Dragão. Mantivemos a invencibilidade no nosso reduto. Seja contra quem for, temos de lutar sempre pela vitória mais ainda por ser em nossa casa. Não nos contentamos com vitórias morais. Para nós só a vitória é que é motivo para sairmos do jogo felizes e isso nunca se pode perder.

Mas vamos ao jogo. Início titubeante o nosso, com o Chelsea a dominar e a criar oportunidades para se adiantar no marcador, principalmente num remate de Fabregas para excelente defesa de Casillas.

Aos poucos fomos equilibrando o jogo e à passagem dos 40′ conseguimos o tento inaugural por parte do suspeito do costume. André André. Grande jogada de Brahimi que termina com um bom remate, bem defendido por Begovic, mas com a bola a sobrar para o nosso pequeno gigante que mete a bola lá dentro.

E quando tudo indicava que iriamos para o intervalo em vantagem, num livre à entrada da área, William empata o jogo mesmo em cima do intervalo.

Balde de água fria, mas que em boa verdade, veio trazer justiça ao jogo.

A segunda parte começa com o nosso segundo marcado através de um canto.

ALTO!!! PÁRA TUDO!!! MARCÁMOS ATRAVÉS DE UM PONTAPÉ DE CANTO?

É verdade, foi através de um pontapé de canto que conseguimos chegar à vantagem por intermédio de Maicon.

Estava dado o mote para uma grande segunda parte, onde dispusemos de imensas oportunidades para resolver o jogo. Já perto do apito final, Marcano ia estragando tudo, com dois erros infantis na mesma jogada. Primeiro ao deixar que a bola lhe batesse à frente permitindo que Diego Costa ficasse com a bola, e depois no seguimento ao fazer mão dentro da área, que felizmente para nós o árbitro não viu.

Teria sido uma injustiça que o adversário tivesse conseguido a igualdade, mas poderia ter acontecido.

Resumindo, foi uma grande noite europeia, contra um adversário poderoso e que nos permitiu atingir a liderança do grupo.

Quanto a destaques, pela positiva, destaco essencialmente a garra de toda a equipa na segunda parte. Cerraram os dentes e lutaram até à exaustão. Foram fantásticos rapazes!

No plano individual, é dificil destacar alguém porque todos estiveram bem mas Aboubakar esteve fantástico. Lutou, lutou, lutou. Foi um quebra cabeças constantes para a defesa contrária. André André mais uma vez imperial. Marcou, jogou muito e é já, hoje por hoje, peça fundamental do clube.

Brahimi mais uma vez muito bem na Europa. Só é pena que a nível interno o empenho não seja o mesmo.

Danilo foi rei e senhor daquele meio campo. Está em todo lado. Um verdadeiro poço de energia. Rúben Neves fantástico. Um miúdo de 18 anos com uma maturidade incrível. Imbula é uma força da natureza. Ainda não faz a diferença. Talvez o esquema tático de Lopetegui o prejudique, mas ele é um jogador estilo “box to box” que eu tanto aprecio.

Maicon. Que grande jogo. Dominador no jogo aéreo. Excelente no passe. Um golo. São virtudes a mais que servem para fazer esquecer um outro erro. Marcano talvez tenha sido o elemento menos bem em campo, mas também se cotou em bom plano. Indi também em bom plano no lado esquerdo, assim como Maxi na direita.

Evandro, Osvaldo e Layun também entraram muito bem.

Nota também para o treinador. Nem sempre sou defensor dele. Critico-o muitas vezes até, mas hoje esteve assertivo na equipa que escalou para o jogo. Sabe que Layun tem dificuldades a defender, então meteu Indi, que embora seja mais fraco no ataque, é muito mais eficaz a defender. As substituições também foram muito assertivas. Não podemos criticar só. Quando é de louvar temos também de louvar.

Agora é recuperar energias para a receção ao Belenenses no próximo domingo e desejar que o Porto dominador dos jogos em casa se mantenha e cheguemos à paragem do campeonato para os compromissos das seleções em primeiro lugar.

Autocarro versão 2.0!

O que dizer do jogo de hoje contra o Moreirense? Nem sei o que diga. Ver uma equipa defender com dez durante 80 minutos, a fazer lembrar o Gil Vicente dos anos noventa conseguir um empate a duas bolas é injusto demais.

O FC Porto não jogou bem é certo, mas fez mais que suficiente para vencer. O nosso adversário não merecia de forma alguma a sorte que teve. Uma equipa que joga da forma vergonhosa que jogou a equipa da casa não deveria ter tido a sorte do jogo.

De todas as formas também não fizemos um jogo bem conseguido, principalmente na defesa. Não nos demos bem contra uma equipa que jogou com dez defesas e com um meco lá na frente. Estivemos sempre nervosos, sem confiança cá atrás e sem explicação possível para tal.

Estivemos em vantagem, eles conseguiram o empate no primeiro remate enquadrado com a baliza, fomos para a frente, dominamos por completo o jogo, conseguimos nova vantagem e depois, a um minuto do final, num cruzamento em que o jogador que o faz escorrega, e graças a isso consegue um grande passe para o avançado do Moreirense que volta a empatar.

Já fui muito critico noutras ocasiões, hoje não o posso ser. Fizemos mais que suficiente para vencer. Não tivemos sorte, e seguramente uma equipa que joga da forma vergonhosa que o adversário jogou não merecia ter tido essa sorte.

Paciência. Agora é levantar a cabeça e tentar vencer na 3ª feira o Chelsea e depois o Belenenses ambos no Dragão.

Pela positiva André André voltou a estar muito bem, assim como Danilo Pereira. Ambos deram força ao meio campo e estiveram em bom plano.

Maxi também muito bem no ataque, sempre a criar linhas de passe para os companheiros.

Brahimi também estava a ser dos pouco que conseguia furar aquele autocarro. Uma infelicidade a sua lesão.

Corona, após ter passado para o meio. Cresceu imenso a partir desse momento. Marcou um golo, podia ter marcado outro. Desde essa altura esteve mesmo muito bem.

Pela negativa mais uma vez Herrera. Continuo a não ver rigorosamente nada no mexicano. Não sabe fazer um passe, não cria desequilíbrios, não trás nada de positivo à equipa.

Marcano também após o erro inicial, parece nunca mais se ter encontrado durante todo o jogo.

Foi mau. Não há como dourar a pílula. Estes são os jogos que não se podem perder pontos. Tivemos azar, é certo, mas poderíamos e deveríamos ter feito mais.

Exagerado agora ou benevolência anteriormente?

Ontem ouvi, quer da boca do nosso treinador, quer da boca do nosso Presidente lamentos acerca do exagero de cartões amarelos que Maxi Pereira tem levado (4 em 5 jogos).

Para mim isso é uma falsa questão. Todos, repito TODOS nós farta-mo-nos de dizer estes anos todos que o uruguaio era um “caceteiro” de primeira, que caso não vestisse de vermelho estaria muitas vezes na rua, etc, etc, etc.

Ora tudo isso é verdade e não é por ele ter mudado para o nosso clube que devemos mudar o discurso. Não questiono a qualidade e o profissionalismo dele. Confesso que engoli um sapo do tamanho do mundo quando ele veio, mas tenho de dar o braço a torcer e reconhecer que tem sido de uma enorme utilidade. Agora que ele era e continua a ser um jogador dado a levar muitos cartões é um facto. Por isso, dizer que é um exagero o número de cartões que tem levado, não me parece ser essa a questão.

O que podíamos e deveríamos questionar era porque carga de água é que anteriormente ele não os levava. Isso sim é que é um case study.

Neste país, se vestes as “camisolas berrantes” és visto de uma maneira bem mais benevolente do que se vestires outra qualquer cor.

Maxi não é o único exemplo. Javi Garcia saiu para Inglaterra e logo ficou com esse “rótulo” de jogador violento. Tanto ficou que acabou por se tornar a pior contratação da liga inglesa nessa época, tendo sido recambiado para a Rússia.

Outro caso mais recente é o do estratosférico Enzo Perez. Aqui era considerado por todos (menos por nós portistas) um jogador ao nível dos melhores do mundo. Tal era a campanha pró Enzo que até conseguiram que ele fosse convocado para o Mundial pela Argentina. Tal foi a campanha que até o venderam muito bem vendido para o Valência. Só que após a sua chegada, e ao fim de poucos jogos, o argentino sentiu na pele o efeito benevolência de que foi alvo em Portugal. Pois lá levava amarelos em todos os jogos originando com isso o seu afastamento do 11 titular. O desgraçado pouco ou nada jogou, chegando ao ponto de criticar as arbitragens de lá, dizendo que em Espanha ele nem falar podia. Pois é caro Enzo, ias muito mal habituado daqui.

Resumindo e concluindo, a Maxi resta continuar a ser o profissional que é, esperando que leve o mínimo de cartões possível e que se vá habituando à ideia que aqui é diferente.

Aqui para vencermos temos mesmo de ser os melhores. Temos de suar mais, que correr mais, que lutar mais.

Na loja do mestre André!

790

E lá continuamos nós este ano de 2015 sem perder, nem sofrer qualquer golo em casa para o campeonato. Em casa mandamos nós e ponto final. Fomos superiores, mostramos ser a única equipa a querer vencer e consegui-mo-lo com toda a justiça.

Mas nem tudo foi bom. Não fosse Casillas no inicio e poderíamos mesmo ter tido outra sorte. Só que após esses minutos iniciais, tomamos conta do jogo e principalmente na segunda parte, não fosse a falta de fortuna e poderíamos ter vencido por margem mais dilatada.

Aboubakar ao poste, Aboubakar na cara do golo a permitir a defesa de Júlio César e no seguimento da jogada, mesmo sofrendo falta para grande penalidade, preferiu continuar a jogada ao invés de se deixar cair e a rematar ao lado. Fosse o camaronês mais matreiro e podíamos ter feito ruir aquele castelo de cartas mais cedo.

Só que nesta equipa do Porto existe um jovem português, portista de coração, filho de um ex jogador do nosso clube que é o verdadeiro pulmão, o jogador que transporta a mística para dentro de campo. Falo de André André. Grande, grande jogador. Estava em todo o lado. Defende quando é preciso, ataca com critério, todo o jogo é pautado por ele. Marcou o golo do triunfo, jogou como ninguém. A par de Aboubakar empurrou a equipa para a frente.

Nota final para um lance de parte a parte que na minha opinião teria sido merecedora de segundo amarelo.

Maxi Pereira deveria tê-lo levado, assim como André Almeida pouco depois ao dar uma cotovelada num nosso jogador. Na minha opinião, quer um, quer outro deveriam ter visto o segundo amarelo.

Em suma, foi uma vitória importante, perante uma equipa que veio em busca do ponto, e com exceção dos primeiros minutos de jogo pouco ou nada fez para merecer outra sorte. Já ficam a quatro pontos o que mesmo estando no inicio não deixa de ser bom.

Quanto a destaques, para mim o melhor em campo foi André André por tudo aquilo que disse anteriormente. Sem dúvida, e até agora a melhor contratação do FC Porto esta época.

Aboubakar também jogou muito bem, como sempre o tem feito, não se percebendo a sua substituição perto do final da partida.

Casillas, com duas defesas no inicio a garantir a estabilidade necessária lá atrás. Após isso, foi apenas e só um mero espetador durante uma hora.

A dupla de centrais também esteve muito certinha, sempre a tapar todos os caminhos para a baliza, com a particularidade de Maicon ter estado muito assertivo no capítulo do passe.

Varela que desde que entrou mexeu com o ataque, criando os desequilíbrios necessários para abrir aquela defesa adversária, sendo dele a assistência para o golo.

Pela negativa, Corona. Esteve completamente fora do jogo. Apagado, sem chama, tendo sido com naturalidade o primeiro a sair.

Brahimi durante toda a primeira parte. Uma verdadeira nulidade. Na segunda melhorou mas não esteve muito bem na globalidade.

Não é por ter corrido bem que não vou criticar a opção de Lopetegui. Tirar um dos melhores jogadores em campo, que estava a desgastar e de que maneira toda a defesa contrária, o nosso ponta de lança, para o substituir por outro, é inadmissível. Não basta ter um discurso de vitória. Dentro de campo também é necessário demonstrá-lo.

Vem agora uma visita a Moreira de Cónegos, uma equipa que não está a fazer um grande inicio de campeonato, mas onde teremos de estar muito concentrados para sairmos de lá com os três pontos.