Exagerado agora ou benevolência anteriormente?

Ontem ouvi, quer da boca do nosso treinador, quer da boca do nosso Presidente lamentos acerca do exagero de cartões amarelos que Maxi Pereira tem levado (4 em 5 jogos).

Para mim isso é uma falsa questão. Todos, repito TODOS nós farta-mo-nos de dizer estes anos todos que o uruguaio era um “caceteiro” de primeira, que caso não vestisse de vermelho estaria muitas vezes na rua, etc, etc, etc.

Ora tudo isso é verdade e não é por ele ter mudado para o nosso clube que devemos mudar o discurso. Não questiono a qualidade e o profissionalismo dele. Confesso que engoli um sapo do tamanho do mundo quando ele veio, mas tenho de dar o braço a torcer e reconhecer que tem sido de uma enorme utilidade. Agora que ele era e continua a ser um jogador dado a levar muitos cartões é um facto. Por isso, dizer que é um exagero o número de cartões que tem levado, não me parece ser essa a questão.

O que podíamos e deveríamos questionar era porque carga de água é que anteriormente ele não os levava. Isso sim é que é um case study.

Neste país, se vestes as “camisolas berrantes” és visto de uma maneira bem mais benevolente do que se vestires outra qualquer cor.

Maxi não é o único exemplo. Javi Garcia saiu para Inglaterra e logo ficou com esse “rótulo” de jogador violento. Tanto ficou que acabou por se tornar a pior contratação da liga inglesa nessa época, tendo sido recambiado para a Rússia.

Outro caso mais recente é o do estratosférico Enzo Perez. Aqui era considerado por todos (menos por nós portistas) um jogador ao nível dos melhores do mundo. Tal era a campanha pró Enzo que até conseguiram que ele fosse convocado para o Mundial pela Argentina. Tal foi a campanha que até o venderam muito bem vendido para o Valência. Só que após a sua chegada, e ao fim de poucos jogos, o argentino sentiu na pele o efeito benevolência de que foi alvo em Portugal. Pois lá levava amarelos em todos os jogos originando com isso o seu afastamento do 11 titular. O desgraçado pouco ou nada jogou, chegando ao ponto de criticar as arbitragens de lá, dizendo que em Espanha ele nem falar podia. Pois é caro Enzo, ias muito mal habituado daqui.

Resumindo e concluindo, a Maxi resta continuar a ser o profissional que é, esperando que leve o mínimo de cartões possível e que se vá habituando à ideia que aqui é diferente.

Aqui para vencermos temos mesmo de ser os melhores. Temos de suar mais, que correr mais, que lutar mais.

Na loja do mestre André!

790

E lá continuamos nós este ano de 2015 sem perder, nem sofrer qualquer golo em casa para o campeonato. Em casa mandamos nós e ponto final. Fomos superiores, mostramos ser a única equipa a querer vencer e consegui-mo-lo com toda a justiça.

Mas nem tudo foi bom. Não fosse Casillas no inicio e poderíamos mesmo ter tido outra sorte. Só que após esses minutos iniciais, tomamos conta do jogo e principalmente na segunda parte, não fosse a falta de fortuna e poderíamos ter vencido por margem mais dilatada.

Aboubakar ao poste, Aboubakar na cara do golo a permitir a defesa de Júlio César e no seguimento da jogada, mesmo sofrendo falta para grande penalidade, preferiu continuar a jogada ao invés de se deixar cair e a rematar ao lado. Fosse o camaronês mais matreiro e podíamos ter feito ruir aquele castelo de cartas mais cedo.

Só que nesta equipa do Porto existe um jovem português, portista de coração, filho de um ex jogador do nosso clube que é o verdadeiro pulmão, o jogador que transporta a mística para dentro de campo. Falo de André André. Grande, grande jogador. Estava em todo o lado. Defende quando é preciso, ataca com critério, todo o jogo é pautado por ele. Marcou o golo do triunfo, jogou como ninguém. A par de Aboubakar empurrou a equipa para a frente.

Nota final para um lance de parte a parte que na minha opinião teria sido merecedora de segundo amarelo.

Maxi Pereira deveria tê-lo levado, assim como André Almeida pouco depois ao dar uma cotovelada num nosso jogador. Na minha opinião, quer um, quer outro deveriam ter visto o segundo amarelo.

Em suma, foi uma vitória importante, perante uma equipa que veio em busca do ponto, e com exceção dos primeiros minutos de jogo pouco ou nada fez para merecer outra sorte. Já ficam a quatro pontos o que mesmo estando no inicio não deixa de ser bom.

Quanto a destaques, para mim o melhor em campo foi André André por tudo aquilo que disse anteriormente. Sem dúvida, e até agora a melhor contratação do FC Porto esta época.

Aboubakar também jogou muito bem, como sempre o tem feito, não se percebendo a sua substituição perto do final da partida.

Casillas, com duas defesas no inicio a garantir a estabilidade necessária lá atrás. Após isso, foi apenas e só um mero espetador durante uma hora.

A dupla de centrais também esteve muito certinha, sempre a tapar todos os caminhos para a baliza, com a particularidade de Maicon ter estado muito assertivo no capítulo do passe.

Varela que desde que entrou mexeu com o ataque, criando os desequilíbrios necessários para abrir aquela defesa adversária, sendo dele a assistência para o golo.

Pela negativa, Corona. Esteve completamente fora do jogo. Apagado, sem chama, tendo sido com naturalidade o primeiro a sair.

Brahimi durante toda a primeira parte. Uma verdadeira nulidade. Na segunda melhorou mas não esteve muito bem na globalidade.

Não é por ter corrido bem que não vou criticar a opção de Lopetegui. Tirar um dos melhores jogadores em campo, que estava a desgastar e de que maneira toda a defesa contrária, o nosso ponta de lança, para o substituir por outro, é inadmissível. Não basta ter um discurso de vitória. Dentro de campo também é necessário demonstrá-lo.

Vem agora uma visita a Moreira de Cónegos, uma equipa que não está a fazer um grande inicio de campeonato, mas onde teremos de estar muito concentrados para sairmos de lá com os três pontos.

Amarelo?

12002763_10153204231375017_3322509549615136991_n

Nem sei que diga de um animal destes. Apenas vejam a violência de alguém para com um jovem promissor. Isto não é futebol.

Para que conste, apenas levou o cartão amarelo. Só lhe desejo que o futuro lhe traga o mesmo que ele fez ao André, mas em dobro.

Sabor agridoce

600

Há mais ou menos um ano fomos à Ucrânia empatar a duas bolas contra o Shaktar. Na altura, depois de estarmos a perder por dois golos de diferença, conseguir perto do fim a igualdade foi quase como uma vitória. Hoje, tendo assistido a tamanha superioridade acabar por sofrer a igualdade perto do fim graças a um erro defensivo e sobretudo de Casillas (naquela zona tem de sair com tudo) é deveras frustrante.

Somos superiores, muito superiores, o resultado não é mau, mas tendo feito o jogo que fizemos, tendo passado toda a segunda parte a jogar no meio campo ofensivo tínhamos de ter vencido este jogo.

Lopetegui decidiu voltar a “inventar”. Deixou Corona no banco depois da exibição que fez em Arouca. Jogou com André André descaído pela lateral, mas com isso afunilou o jogo para o meio. Não percebi o sistema tático. Não vi nada de bom nele e espero que não repita a graçola.

Em suma, foi um resultado agridoce. Um empate fora em casa do nosso adversário direto é sempre positivo, mas atendendo a tamanha superioridade, acaba por saber a pouco.

Quanto a destaques, pela positiva destaco André André. Que grande jogador está ali. Não sabe jogar mal. É um trabalhador incansável, organiza, faz jogar. Muito bem mesmo.

Aboubakar, para mim o melhor em campo. Está em grande forma. Dois golos, joga muito, faz jogar. Fantástico. Ele não merecia de forma alguma o que aconteceu.

Pela negativa, Lopetegui por aquilo que já mencionei em cima. Não se pode jogar sem extremos. Não basta povoar o meio campo. É preciso lateralizar o jogo e criar mais oportunidades.

Martins Indi a acusar falta de ritmo. Esteve muito mal na maior parte do jogo, assim como Layun em termos defensivos.

Casillas, depois de um erro inicial sem consequências de maior, redimiu-se com uma grande defesa a terminar a primeira parte, mas borra a pintura toda já no final ao não se fazer ao lance que acabou por dar a igualdade.

Agora é esperar que na próxima jornada no Dragão, contra o Chelsea, consigamos uma vitória. Em casa temos de jogar sempre para vencer. Não somos inferiores a ninguém no nosso reduto portanto é para ganhar.

Boa vitória!

790

Foi graças a um jogo muito interessante de nossa parte que levamos de vencida o Arouca, que desta vez, e ao contrário de contra outros, jogou no seu campo.

Foi realmente e até agora, o jogo mais conseguido de nossa parte no presente campeonato. Com as duas mais recentes contratações e com um meio campo totalmente inovador, o nosso clube praticou um futebol bem mais solto e rápido que o habitual.

Perante um adversário que se recusou a meter o autocarro e tentou sempre jogar olhos nos olhos, só mesmo um FC Porto muito competente é que poderia sair dali com a vitória.

Marcamos três golos, outros ficaram por marcar, mas não sendo um jogo perfeito, foi um jogo que deixa os adeptos mais tranquilos em relação ao futuro.

Quanto a destaques, para mim o melhor em campo foi André André. Grande exibição do português. Esteve em dois golos, foi um nº 10 quando foi preciso, quando Brahimi saiu descaiu para a extrema estando sempre em bom nível. Rematou, defendeu, em suma, um jogo completo a fazer crer que o lugar terá de ser dele.

Aboubakar também jogou muito bem, vindo inúmeras vezes buscar jogo atrás a fazer lembrar Jackson e a picar o ponto mais uma vez, que é o que se pede a um ponta de lança. Enquanto estiver assim o lugar será dele sem sombra de dúvida.

Corona teve também uma estreia muito prometedora. Dois golos, alguns pormenores bem interessantes, e um entendimento com Maxi que até parece que jogaram juntos toda a vida.

Rúben Neves fez também uma boa exibição. Não é tão forte a defender como Danilo, mas em termos de dar largura ao jogo e no descobrir espaços para endossar a bola, está muito à frente do seu “rival” de posição.

Pela negativa destaco Layun. Tem a atenuante de praticamente não ter treinado e de ser a sua estreia, mas o certo é que não esteve bem.

Sem atenuantes temos Brahimi. O argelino fez um mau jogo. Nunca desequilibrou, esteve sempre muito preso de movimentos, e quando assim é, para um jogador com as suas caraterísticas as coisas não podem correr bem.

Nota negativa também para a diferença com que o árbitro tratava as faltas de um lado e do outro. Não compreendi o porquê do amarelo a Layun, assim como não entendi como é que foi possível aquela besta do irmão do Maicon ter saído do jogo sem um único cartão. Inexplicável!

Segue-se agora um jogo em Kiev para a Liga dos Campeões, na próxima quarta feira para depois recebermos os nossos principais rivais internos no próximo domingo para o campeonato onde esperamos duas vitórias, ou na pior das hipóteses, um empate na quarta e uma vitória domingo.

Excelente iniciativa!

FC PORTO CONVIDA CLUBES DA CHAMPIONS A APOIAR VAGA DE MIGRANTES

O FC Porto enviou esta sexta-feira uma carta à UEFA, convidando todos os outros 31 clubes que participam na edição desta época da Liga dos Campeões a doar um euro por cada bilhete vendido, como apoio à crise humanitária causada pela vaga de migrantes que tentam chegar à Europa.

Sob o lema “Let’s play for the migrants!” (“Vamos jogar pelos migrantes!”), a proposta do nosso clube é fazê-lo na primeira partida em que cada clube joga em casa, o que acontecerá sempre numa das duas primeiras jornadas. O FC Porto irá concretizá-lo no encontro com o Chelsea, marcado para 29 de Setembro.

O FC Porto é um clube desportivo e a implantação social de que beneficiamos não nos pode deixar indiferentes ao drama de milhares de famílias, que muitas vezes pagam com a vida a busca pela segurança que não têm nos seus países de origem.

O FC Porto continuará a estudar formas de contribuir para minimizar o sofrimento destas milhares de famílias e, como sempre, conta com o apoio dos adeptos e de quem se queira juntar a nós.

“Fonte: site oficial do FC Porto”